Abrantes

Maria Helena Alho

Nasceu em Abrantes Bibliografia: ALHO, Maria Helena - País das maravilhas In Exposição - 100 anos de autores abrantinos

Maria José Chambel

Nasceu em Abrantes em 1937 Bibliografia: CHAMBEL, Maria José - Escrever na sombra In Exposição - 100 anos de autores abrantinos

Maria Lucília Moita

Maria Lucília Moita(1928 – 2011) S/ título, óleo s/ madeira 48 x 40 cm Maria Lucília Moita nasceu em Alcanena em 1928.De 1944 a 1946 teve lições com o pintor João Reis.Depois da primeira exposição individual na Sociedade Nacional de Belas Artes, em 1958, marcada pela pintura do seu mestre e dos pintores naturalistas da coleção Dr (...)

Maria Lucília Moita

Maria Lucília Moita nasceu em Alcanena em 1928 Embora longe dos grandes centros artísticos e culturais, teve meios para criar uma carreira artística, tornando-se numa personalidade cultural contemporânea e uma das pintoras mais conhecida e premiada. (...)

Maria Teresa Aparício

Nasceu em Abrantes em 1943. Tirou o Curso do Magistério Primário em Leiria É membro do Centro de Estudos de História Local de Abrantes, sendo diretora adjunta da revista Zahara. (...)

Mário Cordeiro

Mário Cordeiro (1950) Portugal – Brasil, Jogo de futebolTapeçaria - lã s/ tecido de linho, 2011, 110 x 73 cm Nasceu na freguesia de Santa Margarida, Constância, em 1950.Em 1952 veio para Abrantes, onde o pai exerceu durante 50 anos a profissão de encadernador.Em 1964 ganhou na Escola Secundária um Prémio Literário com um conto – O Contador de Histórias (...)

Mário Pissarra

Nasceu em Idanha-a-Nova a 16 de Maio de 1948 Em Outubro de 1973 toma posse como professor de Religião e Moral no antigo Liceu Nacional de Abrantes É coautor de manuais escolares e de uma proposta de programa de Filosofia para o Ensino Secundário e tem colaborações várias em revistas e colóquios no domínio da Filosofia e do ensino. (...)

Mário Rui Cordeiro

Nasceu em 1950, em Santa Margarida da Coutada, concelho de Constância Em 1971 exilou-se na Bélgica e França Escritor, poeta e pintor, fez diversas exposições em Abrantes, Sardoal, Tomar, Santarém e Lisboa. (...)

Mário Semedo

Nasceu em Abrantes em 1956 e faleceu em 2013. Teve uma carreira militar, dedicou-se ao jornalismo e à educação, tendo lecionado matemática durante vários anos. (...)

Matias Lopes Raposo

Nasceu em Mouriscas a 8 de novembro de 1891 e faleceu a 5 de maio de 1961. Foi professor do ensino primário, inicialmente em Rossio ao Sul do Tejo (1912) e depois em Mouriscas, até à sua aposentação (1947-48) (...)

Matilde Marçal

Matilde Marçal (1946) Elegias poéticas III óleo sobre tela, 130 x 89 cm Nasceu em Abrantes em 1946 Em 45 anos de atividade participou em múltiplas exposições coletivas no País e no Estrangeiro, das quais se destacam: Galeria Diário de Notícias, Lisboa (1971); V Bienal Internacional d ‘ Arte Ibiza, Espanha (1973); “Figuração – Hoje”, Sociedade Nacional de Belas-Artes (1975); “Gravura Portuguesa Contemporânea”, Centro Cultural da Fundação Calouste Gulbenkian, Paris, França (1975); “Gravura Portuguesa Contemporânea”, Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro (1978); Triennale Europeia d’ell Incisione, Grapo, Itália (1981); V Bienal Internacional de Bradford, Inglaterra (1982); III Bienal Europeia de Heidelberg, Alemanha (1982); VII Bienal Internacional de Gravura, Noruega (1984); “ Arte Portuguesa Contemporânea”, Jaditte Galleries, Nova York, USA (1987); European Large Format Print Making, Dublin, Irlanda (1991); ARTISTI SPA+A, Cá Pesaro, Museu d’Arte Moderna, Veneza (2009/2010). (...)

Maximino Chaves

Nasceu em Bornes, concelho de Vila Pouca de Aguiar Bibliografia: CHAVES, Maximino - Andanças, tribulações e reflexões em tempo de guerra: memórias de uma comissão de serviço em Moçambique: 1968 a 1971 (...)

Memorial da Forja

Me­mo­rial ao ar livre que mostra os uten­sí­lios uti­li­zados na forja da Me­ta­lúr­gica Du­arte Fer­reira, fa­zendo a re­cons­ti­tuição da ofi­cina de Edu­ardo Du­arte Fer­reira (...)

Metalúrgica Duarte Ferreira - O longo voo da borboleta

«Tenho que andar sempre depressa, homem!A minha estrada é muito comprida!».Eduardo Duarte Ferreira José Martinho Gaspar* Introdução No final da década de setenta do século XIX, Eduardo Duarte Ferreira iniciou em Tramagal um projecto empresarial que ganhou dimensão nacional e internacional, que fez um percurso de mais de 100 anos e que ficou conhecido como Metalúrgica Duarte Ferreira. O fenómeno Duarte Ferreira, pelos contornos que se lhe conhecem, torna-se particularmente curioso, tanto mais que, desde o seu início, parece fugir àquilo que a historiografia tem defendido para a indústria nascente na transição do século XIX para o século XX: as fábricas seriam criadas por famílias abastadas, de fortunas feitas, ou por estrangeiros que então se estabeleciam em Portugal1 . Ora, com este trabalho importa-nos saber, primeiro que tudo, como se iniciou o processo que desembocou na Metalúrgica Duarte Ferreira e, logo de seguida, como atingiu em poucos anos dimensões tão significativas (...)

Mourões

Conjunto de 16 pegões assentes numa plataforma, designados hoje como “Mourões”, que se localizam na margem sul do rio Tejo e que se acreditava terem pertencido a uma ponte onde passava uma via romana que seguia até Mérida (...)

Museu D. Lopo de Almeida

Ins­ta­lado desde 1 de Junho de 1921 no corpo da Igreja de St.ª Maria, no Cas­telo de Abrantes, na al­tura ainda Quartel de Ar­ti­lharia Nº 8, foi o sexto museu a ser criado no país e tinha a abran­gente res­pon­sa­bi­li­dade da ca­te­goria de Museu Re­gi­onal (...)

Museu Metalúrgica Duarte Ferreira

Este é um museu que re­sulta do querer de uma po­pu­lação e da par­ceria entre a Câ­mara Mu­ni­cipal de Abrantes, a Junta de Fre­guesia de Tra­magal e o Grupo Di­o­rama (de­tentor do edi­fício do an­tigo Es­cri­tório Prin­cipal da fá­brica onde está im­plan­tado o museu e também de grande parte do seu es­pólio). O Museu Me­ta­lúr­gica Du­arte Fer­reira é inau­gu­rado a 01 de maio de 2017, com um in­ves­ti­mento de cerca de meio mi­lhão de euros, cuja com­po­nente do fundo co­mu­ni­tário do Proder re­pre­senta apenas uma pe­quena par­cela de cerca de no­venta mil euros. (...)

O Canal Filipino de Alfanzira - Mouriscas - Uma proposta de preservação integrada

Joaquim Candeias da Silva* 1 O Canal Filipino em fotografia aérea e na Carta Militar 1:25 000 2 Ermida de N.a Sr.a da Guia — «Nossa Senhora da Guia / que estais ao pé do Tejo / sempre que por 'qui passo / tiro o meu barrete e rezo».«Na freguesia de Alvega, termo da mesma nobre vila de Abrantes, se vê o santuário da Virgem Nossa Senhora da Guia (...)