Abrantes

Igreja de S. Vicente

Mo­nu­mento na­ci­onal de grande be­leza e im­po­nência, pela sua fa­chada prin­cipal e pelo pa­tri­mónio in­te­grado do seu in­te­rior de grande qua­li­dade: dois pai­néis de azu­lejos com a nau S.​Vicente; al­guns re­tá­bulos seis­cen­tistas; es­cul­tura sacra; al­faias li­túr­gicas de grande valor; um púl­pito de base com cá­lice e va­randa de ba­laús­tres sim­ples. (...)

Igreja de Santa Maria do Castelo

Mo­nu­mento Na­ci­onal, a Igreja de Santa Maria do Cas­telo é também o pan­teão da fa­mília Al­meida e al­berga desde 1921 o Museu D (...)

João Quinto

João Quinto (1953) Discussões em famíliaPapier maché e materiais reciclados João Quinto nasceu em Belver a 11 de Maio de 1953.Reside em Abrantes desde 1960 (...)

José Paulo Fernandes

José Paulo Fernandes(1906 – 1979) Floresóleo s/ madeira, 40,5 x 48,5 cm, s/d – Coleção particular José Paulo Fernandes nasceu em 23 de maio de 1906.Quando frequentava a “Broa”, antiga escola secundária de Abrantes, José Motta, seu professor, encontrou nele marcada habilidade para o desenho.Seguiu a sua vida, estudante no liceu e depois trabalhando como ajudante de advogado (...)

José Serra da Motta

José Serra da Motta(1883 – 1943) Trovoadaóleo s/ tela, 62 x 77 cm José Sebastião Serra da Motta nasceu em Abrantes, em 10 de Dezembro de 1883.Manifestou desde muito cedo a sua vocação de artista plástico.Pelos nove anos inspirou-se para desenhar nos azulejos de sua casa (...)

Júlio Amaro

Júlio Amaro(1931 – 2007) S/ título, óleo s/ tela,1991,38,5 x 55 cm Júlio Amaro nasceu na Abrançalha, Abrantes, em 1931, e faz a sua primeira exposição com 16 anos no Instituto Padre Oliveira (...)

Juno Doran

Juno Doran (nascida Célia Penteado) é uma artista multimédia natural de Abrantes e residente em Inglaterra desde os anos 90 OBRA:“Sounds like falling”O trabalho exposto de Juno Doran pertence a um projeto em desenvolvimento intitulado “Sounds like falling”, o qual utiliza emulsão fotográfica liquida sobre papel e molduras encontradas em segunda mão em lojas de caridade (...)

Margarida Castel-Branco

Margarida Castel-Branco (1931 – 2013)S/ título, óleo s/ tela70 x 50 cm Margarida Castel-Branco nasceu em Lisboa Na primeira metade dos anos 60 viveu e estudou em Itália (...)

Maria Lucília Moita

Maria Lucília Moita(1928 – 2011) S/ título, óleo s/ madeira 48 x 40 cm Maria Lucília Moita nasceu em Alcanena em 1928.De 1944 a 1946 teve lições com o pintor João Reis.Depois da primeira exposição individual na Sociedade Nacional de Belas Artes, em 1958, marcada pela pintura do seu mestre e dos pintores naturalistas da coleção Dr (...)

Mário Cordeiro

Mário Cordeiro (1950) Portugal – Brasil, Jogo de futebolTapeçaria - lã s/ tecido de linho, 2011, 110 x 73 cm Nasceu na freguesia de Santa Margarida, Constância, em 1950.Em 1952 veio para Abrantes, onde o pai exerceu durante 50 anos a profissão de encadernador.Em 1964 ganhou na Escola Secundária um Prémio Literário com um conto – O Contador de Histórias (...)

Matilde Marçal

Matilde Marçal (1946) Elegias poéticas III óleo sobre tela, 130 x 89 cm Nasceu em Abrantes em 1946 Em 45 anos de atividade participou em múltiplas exposições coletivas no País e no Estrangeiro, das quais se destacam: Galeria Diário de Notícias, Lisboa (1971); V Bienal Internacional d ‘ Arte Ibiza, Espanha (1973); “Figuração – Hoje”, Sociedade Nacional de Belas-Artes (1975); “Gravura Portuguesa Contemporânea”, Centro Cultural da Fundação Calouste Gulbenkian, Paris, França (1975); “Gravura Portuguesa Contemporânea”, Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro (1978); Triennale Europeia d’ell Incisione, Grapo, Itália (1981); V Bienal Internacional de Bradford, Inglaterra (1982); III Bienal Europeia de Heidelberg, Alemanha (1982); VII Bienal Internacional de Gravura, Noruega (1984); “ Arte Portuguesa Contemporânea”, Jaditte Galleries, Nova York, USA (1987); European Large Format Print Making, Dublin, Irlanda (1991); ARTISTI SPA+A, Cá Pesaro, Museu d’Arte Moderna, Veneza (2009/2010). (...)

Memorial da Forja

Me­mo­rial ao ar livre que mostra os uten­sí­lios uti­li­zados na forja da Me­ta­lúr­gica Du­arte Fer­reira, fa­zendo a re­cons­ti­tuição da ofi­cina de Edu­ardo Du­arte Fer­reira (...)

Metalúrgica Duarte Ferreira - O longo voo da borboleta

«Tenho que andar sempre depressa, homem!A minha estrada é muito comprida!».Eduardo Duarte Ferreira José Martinho Gaspar* Introdução No final da década de setenta do século XIX, Eduardo Duarte Ferreira iniciou em Tramagal um projecto empresarial que ganhou dimensão nacional e internacional, que fez um percurso de mais de 100 anos e que ficou conhecido como Metalúrgica Duarte Ferreira. O fenómeno Duarte Ferreira, pelos contornos que se lhe conhecem, torna-se particularmente curioso, tanto mais que, desde o seu início, parece fugir àquilo que a historiografia tem defendido para a indústria nascente na transição do século XIX para o século XX: as fábricas seriam criadas por famílias abastadas, de fortunas feitas, ou por estrangeiros que então se estabeleciam em Portugal1 . Ora, com este trabalho importa-nos saber, primeiro que tudo, como se iniciou o processo que desembocou na Metalúrgica Duarte Ferreira e, logo de seguida, como atingiu em poucos anos dimensões tão significativas (...)

Museu D. Lopo de Almeida

Ins­ta­lado desde 1 de Junho de 1921 no corpo da Igreja de St.ª Maria, no Cas­telo de Abrantes, na al­tura ainda Quartel de Ar­ti­lharia Nº 8, foi o sexto museu a ser criado no país e tinha a abran­gente res­pon­sa­bi­li­dade da ca­te­goria de Museu Re­gi­onal (...)

Museu Metalúrgica Duarte Ferreira

Este é um museu que re­sulta do querer de uma po­pu­lação e da par­ceria entre a Câ­mara Mu­ni­cipal de Abrantes, a Junta de Fre­guesia de Tra­magal e o Grupo Di­o­rama (de­tentor do edi­fício do an­tigo Es­cri­tório Prin­cipal da fá­brica onde está im­plan­tado o museu e também de grande parte do seu es­pólio). O Museu Me­ta­lúr­gica Du­arte Fer­reira é inau­gu­rado a 01 de maio de 2017, com um in­ves­ti­mento de cerca de meio mi­lhão de euros, cuja com­po­nente do fundo co­mu­ni­tário do Proder re­pre­senta apenas uma pe­quena par­cela de cerca de no­venta mil euros. (...)

O Canal Filipino de Alfanzira - Mouriscas - Uma proposta de preservação integrada

Joaquim Candeias da Silva* 1 O Canal Filipino em fotografia aérea e na Carta Militar 1:25 000 2 Ermida de N.a Sr.a da Guia — «Nossa Senhora da Guia / que estais ao pé do Tejo / sempre que por 'qui passo / tiro o meu barrete e rezo».«Na freguesia de Alvega, termo da mesma nobre vila de Abrantes, se vê o santuário da Virgem Nossa Senhora da Guia (...)