"Nasceu em Juncal do Campo, concelho de Castelo Branco, em data desconhecida, por volta de 1880, filho de José Dias Moço e de D. Maria do Rosário Afonso. Foi ordenado sacerdote no dia 19 de Dezembro de 1903. Prestou provas públicas para concorrer à freguesia de S. Sebastião do Sobral do Campo, sendo depois colado na mesma freguesia em 1906, depois de ter sido coadjutor na Sertã. Em 1909 renunciou à colação daquela freguesia, sendo em seguida colado na de Sarzedas, onde esteve até 1913, ano em que tomou conta como pároco encomendado, da freguesia de Envendos.

Em 1923 foi nomeado pároco e arcipreste de Alcains, cargo que desempenhou com muito zelo até 1934, ano em que foi nomeado pároco e arcipreste de Sardoal. Aqui, foi-lhe superiormente concedida licença para desempenhar as funções de vogal da Câmara e de Provedor da Santa Casa da Misericórdia, onde desenvolveu um trabalho meritório, especialmente ao nível da administração do Hospital que sofreu, então, grandes obras de ampliação e remodelação. Foi também Professor de Religião e Moral do Externato Rainha Santa Isabel. Tomou parte na peregrinação a Roma, em 1947, por ocasião da canonização de S. João de Brito. Foi capelão da Vera Cruz em 1952 e em 1954 tomou parte na peregrinação a Lurdes.

Rezam as crónicas do seu tempo de que era muito sociável, amigo de cultivar o espírito, bondoso com os seus paroquianos, zeloso, activo, trabalhador. O Padre Eduardo deixou uma farta sementeira de apostolado na Paróquia de S. Tiago e S. Mateus de Sardoal, que só abandonou quando sentiu que a sua idade e a surdez prejudicavam um maior rendimento da sua missão, pelo que pediu a Sua Exª. Reverendíssima, o Bispo de Portalegre e Castelo Branco a desobrigação da vida paroquial que lhe foi concedida em 12 de Dezembro de 1959, na mesma Provisão em que foi nomeado Director dos Serviços e Vistoria dos Cartórios Paroquiais da Diocese.

Faleceu no Juncal do Campo em 27 de Janeiro de 1960."*

 

Ao texto de Luís Manuel Gonçalves acrescentamos a informação que se segue, fruto da investigação realizada com vista à realização da exposição “Crianças Austríacas da Cáritas em Portugal e em Sardoal, 1947-1958”, desenvolvida pela Biblioteca Municipal de Sardoal com o apoio dos serviços de Comunicação e Cultura do Município e a colaboração da Embaixada da Áustria em Portugal.

Deve-se ao padre Eduardo Dias Afonso o acolhimento de quatro crianças austríacas no Sardoal, no final da década de 40 do século XX, aquando do pedido internacional da Cáritas Internacional para que os países que não tinham estado envolvidos na Segunda Grande Guerra, recebessem crianças vítimas do conflito e das suas consequências, para recuperarem de problemas emocionais, de saúde e nutrição.

 

 

Recetivo ao pedido da União da Caridade Portuguesa (futura Cáritas Portuguesa), criada por iniciativa de Fernanda Ivens Ferraz Jardim, o padre Dias Afonso recebeu em sua casa Roland Hummel e conseguiu que mais três sardoalenses lhe seguissem o exemplo. Carlota Serrão Mora acolheu Irmgard Lang, Judith Serrão Oliveira recebeu Ursula Stimming e o Dr. Ârelo Manso abriu as portas de sua casa a Helmut Dolezal.

A fotografia, gentilmente cedida por António Conde Falcão, fixou no tempo a presença de Roland no Sardoal, na companhia do seu benfeitor, em 1950.

 

*FONTE: GONÇALVES, Luís – Sardoalenses ilustres: Padre Eduardo Dias Afonso. In Sardoal com memória [em linha]. Sardoal. [Consult. 09 jul. 2020]. Disponível em WWW: https://www.sardoalmemoria.net/home/sardoalenses-ilustres/padre-eduardo-dias-afonso

BIBLIOGRAFIA: FIGUEIREDO, Dulce - "Crianças Austríacas acolhidas no Sardoal". Zahara, n.º 21 (Dez. 2018), pp. 74-83.

 

0
0
0
s2sdefault