O Sardoal possui diversas árvores emblemáticas, sendo que algumas são classificadas de interesse público em virtude do seu porte, desenho, idade e raridade. O Eucalipto Grosso ou os freixos trazidos da Índia por marinheiros sardoalenses, que acompanharam Vasco da Gama nas suas viagens, constituem um património de elevadíssimo valor ecológico, paisagístico, cultural e histórico.

 

Eucalipto grosso (nas proximidades do Agrupamento de Escolas do Sardoal)

Árvore classificada, como de interesse público do Diário de Governo, nº 13-II série, de 17 de Janeiro de 1972.

Não se conhece com rigor a data da sua plantação, mas se nos basearmos pela classificação de anéis de crescimento e na memória popular, calcula-se que seja da segunda metade do século XIX, muito provavelmente de crescimento espontâneo. Há memória de o local ter sido bravio e zona de caça. Esta majestosa árvore, em cuja sombra se aninham crianças que aí brincam dentro do seu tronco.

 

  

Freixos do Convento de Santa Maria da Caridade  

 “Segundo uma velha tradição, que religiosamente vem passando através dos séculos, mas que se encontra documentada nos arquivos de uma família titular da Vila e nos depoimentos de um cronista franciscano, vieram aqueles freixos da península do industão exatamente nos finais do século XV. Foram trazidos por marinheiros do Sardoal integrados na equipagem de Vasco da Gama, na viagem do descobrimento do caminho marítimo para a Índia. São provenientes das margens de um pequeno rio, poucas léguas ao Norte de Calecute, onde a armada esteve fundeada pouco antes de atingir aquele porto. Tal como as célebres rosas de Gil Eanes, que testemunharam ao infante a chegada ao cabo Bojador, aquelas pequenas árvores, trazidas desse Oriente tão ambicionado, pretenderiam representar, também, um testemunho bem concreto e expressivo da chegada dos nossos marinheiros ao termo da sua empresa tão difícil e arriscada. Entre os componentes da expedição sabe-se que havia, pelo menos, dois navegadores oriundos de famílias desta terra. A eles se deve, certamente, a ideia de trazer tão significativa recordação do nosso desembarque e estada nas costas do Malabar [...]” Dr Manuel Baptista citado por Luís Manuel Gonçalves in Sardoal com Memória (http://www.sardoalmemoria.net/)

 

Oliveiras Milenares

“[...] A quantos esta minha carta virem faço saber que vendo eu o grande crescimento que louvores a Nosso Senhor se faz no lugar de Sardoal, termo de Abrantes […] e assim do muito povo, pelos quais são feitas no dito lugar muitas benfeitorias de muitas mui boas casas, assim dentro dele como fora, com muitas herdades e vinhas e olivais e outras muitas benfeitorias nas quais cada vez mais se faz e crescem. [...]” in Carta da Marcação de Termo, Arquivo Histórico do Município

Esta árvore símbolo de sabedoria, abundância e paz que a torna uma das razões pelas quais Dom João III, a 22 de setembro de 1531, na carta de Mercê e Doação fez Vila o Lugar de Sardoal, tem origem na Mesopotâmia, tendo vindo para a europa pela mão dos Fenícios mas, foram os Gregos e os Romanos os seus grandes entusiastas. Estes últimos trouxeram estes magníficos exemplares para estas terras. Do que se conhece, é nos Valhascos que se encontram os exemplares mais antigos do concelho, verdadeiras esculturas vivas preenchendo uma mancha significativa ao longo da Via Romana (PR4 SRD) e junto à Capela de São Bartolomeu. As verdadeiras resistentes que estão cá há mais de mil anos, alimentaram e iluminaram muitos lares nos Valhascos.

 

Sobreiro de D. Maria (arredores da vila, seguindo o caminho para a Fonte Velha)

Esta árvore emblemática do Sardoal, classificada pelo Diário do Governo nº 145 de, 25 de junho de 1947, com idade aproximada de 200 anos, segundo o ICNF, deve esta denominação muito provavelmente ao nome da sua anterior proprietária.

É atualmente a árvore mais acarinhada pelos jovens, pelos encontros e desencontros que ela secretamente presenciou.

Um miradouro inspirador para a juventude do Sardoal que ali busca refúgio e inspiração.

 

Tílias da Praça Nova

No ano de 1934, sobre a presidência de Lúcio Serras Pereira, o Sardoal requalificou diversos espaços da Vila, nomeadamente a Praça da República e a atual Praça Nova. Com a criação do murete que ladeia aquele espaço foram colocados azulejos Deco, alusivos às profissões típicas do Ribatejo. As fantásticas e nobres árvores que a ladeiam, foram aí plantadas nesses longínquos anos 30 do século XX. É inolvidável para qualquer jovem Sardoalense, as memórias das noites quentes e das conversas por baixo destas copas, do seu aroma adocicado no Verão e das gotas de orvalho cristalinas que suavemente caem nas noites frescas.

 

Do escutar dos murmúrios e do zangar das tardes divertidas da sueca pelos mais velhos, podemos afirmar que são árvores intergeracionais.

 

Sobreiro do Amor – Alcaravela

Num espaço silencioso e sereno, onde nem o zumbir do vento se faz sentir, repousa com envergadura um sobreiro centenário. O Sobreiro do Amor é uma árvore com uma poesia única, os seus braços entrelaçam o espaço numa copa enorme, mas baixa, como que num abraço de aconchego, os namorados que o procuraram sentiram o conforto da sua cumplicidade

 

Freixos de Santiago de Montalegre

Não temos nenhum documento, verbal ou escrito, que nos indicie a época da plantação destes freixos, junto à Capela de Santiago de Montalegre, a ladear o cemitério. Pela sua dimensão, calcula-se que sejam centenários. Os freixos são árvores que povoam mitos e lendas, símbolo de lealdade e seriedade é árvore do mundo, aquela que une, frequente nos países nórdicos a sua plantação junto a espaços de culto.

Fonte: CÂMARA MUNICIPAL DE SARDOAL - Árvores emblemáticas: roteiro [em linha]. Sardoal: C.M. Sardoal [Consult. 03 Abr. 2018]. Disponível em WWW: <URL:http://turismo.cm-sardoal.pt/index.php/pt/outros-pontos-de-interesse/arvores-classificadas-e-de-interesse>

0
0
0
s2sdefault

Destaques

Museu Rural e Etnográfico de Espinheiro

Organizações. Associações. Fundações. Museus

Uma visita ao Museu Rural e Etnográfico de Espinheiro, inaugurado a 19 de Março de 2000, constitui um excelente contacto com os trajes, objetos domésticos tradicionais e utensílios agrícolas de outros tempos

Sérgio Vieira + Aprendizes do Ócio

Artes plásticas

Sérgio Vieira + Aprendizes do Ócio(1976) Harmonias, papiermaché medidas variáveis, Sérgio Vieira reside em Abrantes, cidade onde nasceu em 1976.Em 2002 concluiu a licenciatura em Artes Plásticas na ESAD-CR — Escola Superior de Artes e Design, em Caldas da Rainha

Vale das Mós - O povo e a sua igreja

Atividades religiosas. Práticas religiosas

Domingas Felícia Lopes Peixe' Vale das Mós é uma terra situada na zona sul do concelho de Abrantes com cerca de 822 habitantes (Censo 2001).

Susana Rosa

Artes plásticas

Susana Rosa(1976) Abrigos,técnica mista s/ tela, 2008,20 x 140 cm SUSANA ROSA Natural de Abrantes, 1976 / Vive em Paço de Arcos

Igreja da Misericórdia

Edifícios religiosos

Este monumento classificado imóvel de interesse público, assume especial importância pelo seu portal e pelas pinturas do seu interior, datadas do século XVI, atribuídas aos mestres de Abrantes e alusivas à vida de cristo